"Les tableaux sont effrayants, les principes sont perverts, les conséquences sont terribles, et c'est pourquoi nous avons écrit. S'il est dangereux de parler, il serait perfide de se taire." Jean-Pierre Louis de Luchet
26 de Outubro de 2010

O fenómeno recente numa economia global cada vez mais dependente de El Dorados é o chamado CIVETS. Resumindo o que daria direito a uma verdadeira dissertação macroeconómica, o referido acrónimo refere-se à nova elite de países emergentes. Colômbia, Indonésia, Vietname, Egipto, Turquia e África do Sul tomam assim o lugar até aqui pertencente aos então denominados BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). Enquanto "investidores" dos quatro cantos do mundo se acotovelam para garantir a sua parte do anunciado quinhão, impõe-se uma reflexão sobre os reais benefícios de semelhante denominação para as populações das circunscrições geográficas em causa.

 

Se o fenómeno Lula da Silva conseguiu mitigar desigualdades resultantes da "established" realidade económica, o mesmo não poderá ser dito no que toca aos restantes países que foram "iluminados" pelos focos económico-mediáticos. Na realidade, russos, chineses e indianos, pouco ou nada viram como resultado do "boom" a que supostamente foram sujeitos. Baseando-se em rudimentares regimes democráticos (ou menos do que isso, no caso chinês), a expansão económica que tem guiado estes países tarda em bater à porta da generalidade dos lares dos cidadãos.

 

Baseando-se em perspectivas de lucro a curto prazo, as políticas económicas prosseguidas em todos estes casos estão longe de assegurar a redistribuição de riqueza que deve balizar qualquer perspectiva futura. A miséria continua a pontuar as ruas de Bombaim, Pequim ou Moscovo, enquanto meia dúzia de políticos ou financeiros se regozija pelos dividendos gerados. Idealista será epíteto de vã ofensa e a verdade é que cada vez mais se coloca um gigante ponto de interrogação sobre o modelo socioeconómico de que todos,  com maior ou menor dimensão, dependemos. Métricas pouco condignas ,como o PIB, limitam os horizontes globais. Enquanto não for adquirida a consciência que claramente nos indica que não é este o trilho da dignidade humana, não poderemos alterar edifícios de papel que continuam, ainda e sempre, a sedimentar as nossas sociedades.

 

Respiramos modelos de crescimento importados de tendenciosos fazedores de opinião e ainda não adquirimos a coragem necessária para descortinar o expectável resultado das posologias de sempre. Impõe-se mudança. Como? Não ouso afimar, mas diria que uma divisão aritmética dos lucros eproveitos gerados pela generalidade de uma dada população será um bom ponto de partida. Naturalmente, a minha opinião é condicionada por uma certa liberdade. Tão minha, que é de todos. E o "p"? Quando fará parte de any given acrónimo? Só aceito resignação se confrontado com um "h". De humanidade.

 

coagitado por Daniel Martins às 22:49
Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
14
16
18
22
23
25
29
30
31
arquivos
Posts mais comentados
2 comentários
1 cometário
1 cometário
últ. comentários
Li por acaso e adorei..
Claro que à esquerda não há extremistas. Sempre a ...
Danny, ganha juízo, pá
Temos os líderes que merecemos.
Não me ocorre nenhuma maneira melhor de passar um ...
Mas quando?
Gosto das ideias, mas deviam rever o grafismo do b...
Gostei! Continua assim, indomável...
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Li por acaso e adorei..
Claro que à esquerda não há extremistas. Sempre a ...
Danny, ganha juízo, pá
Temos os líderes que merecemos.
Não me ocorre nenhuma maneira melhor de passar um ...
Mas quando?
Gosto das ideias, mas deviam rever o grafismo do b...
Gostei! Continua assim, indomável...